Os pilotos da Ryanair ameaçam com greve no verão

A tensão na maior companhia aérea low-cost europeia persiste. A transportadora irlandesa Ryanair não chegou ainda ao acordo com os representantes das tripulações, descontentes com as condições  de contratação.

O encontro entre os sindicatos e a direção da empresa, que teve lugar em Madrid, em finais de maio, tornou claro que o conflito ainda está longe de ser resolvido.  Naturalmente, a situação preocupa os clientes da transportadora, cujos planos para as viagens de verão poderão sofrer alterações significativas, caso as duas partes não cheguem a um consenso.

Ryanair
Os resultados da Ryanair continuam a subir; só em maio deste ano a companhia transportou mais de 12.5 milhões de passageiros.

Os pilotos e as tripulações reivindicam a aplicação pela Ryanair da legislação nacional relativa a cada país nos contratos de trabalho. De momento a transportadora aplica a todos os trabalhadores a legislação da Irlanda, onde a companhia está baseada. Exige-se também que seja adotadas as mesma condições contratuais e legais a todos os tripulantes de cabine, mesmo os contratados através das empresas de trabalho temporário.

Finamente, as tripulações solicitam que a Ryanair reconheça os seus sindicatos e que, a partir de agora, conduza quaisquer negociações com os representantes dos mesmos.

No encontro em Madrid participaram os representantes dos sindicados de pilotos e tripulações de Portuga, Espanha, Alemanha, Itália e Bélgica. Note-se que, até agora, a Ryanair reconheceu somente os sindicados do Reino Unido e da Itália.

Os pilotos deram a Ryanair tempo até dia 30 de junho para cumprir o exigido. Caso não seja possível encontrar uma solução satisfatória, ameaçam “iniciar os procedimentos necessários para a convocação de uma acção industrial conjunta, incluindo o recurso à greve, a ter lugar durante o verão de 2018”.

A próxima ronda de negociações está prevista para o início de julho (dia 3 ou 4). Só após desta data tornar-se-á claro, se os pilotos e tripulações avançaram com a greve.

É difícil prever o impacto que a greve ao nível europeu e nos meses mais críticos para o turismo, terá no desempenho da Ryanair.

Apesar de vários cancelamentos de voos da Ryanair este ano (causados pela falta de pessoa, greves dos controladores aéreos franceses e condições climatéricas adversas) a empresa registou crescimento de número de passageiros durante todos os meses desde o iníio do ano, até agora.


Os pilotos da Ryanair ameaçam com greve no verão
Artigo: Os pilotos da Ryanair ameaçam com greve no verão
Temas: ,

Envie-nos comentários ou sugestões sobre este artigo

Send kommentar