Fiat Panda – um carro citadino sólido e barato

Qualquer pessoa que tem que se movimentar no trânsito de uma grande cidade, certamente deparou-se com o problema de estacionamento, ainda mais agravado, se conduzir um carro de grandes dimensões.

A carência de lugares de estacionamento, assim como os custos de utilização (nomeadamente combustível), fazem com que cada vez mais pessoas que no dia a dia viajam sozinhas ou com o máximo de um passageiro, optem por adquirir viaturas da classe mais pequena, a chamada classes mini que abrange a gama de pequenos carros citadinos.

A mesma tendência é visível também no segmento de aluguer de viaturas, em que os carros mais pequenos são geralmente disponíveis em grande quantidade nas frotas das empresas rent-a-car e a preços muito competitivos.

Um carro citadino de hoje mede entre 3.50 m e 3.70 metros de comprimento.

Fiat Panda
Estacionamento num carro pequeno, como o Fiat Panda, é muito mais fácil

Entre os carros citadinos mais comuns na classe mini encontram-se:

  • Fiat Panda – versão facelift 2017, recomendável por causa de um espaço interior e a bagageira amplos (para um carro desta classe), economia de combustível e a durabilidade
  • Fiat 500 – um carro com muito estilo (mas atenção à capacidade limitada da bagageira!)
  • VW UP! – a qualidade alemã e um espaço razoável na bagageira. Nas frotas rent-a-car, no entanto aparece frequentemente com o motor de somente 60 cv. O Seat Mii e a Skoda CitiGo são os modelos mais parecidos ao VW Up!.
  • Opel Karl – um dos modelos mais recentes da classe; dá a sensação de se tratar de um carros maior que de facto é e vem bastante bem equipado na versão standard. O motor de 75 cv não é no entanto, deixa a desejar.
  • Hyundai i10 – oferece uma boa qualidade e várias soluções inteligentes no interior

Entre outras escolhas, talvez menos recomendáveis, encontram-se:

  • Toyota Aygo – facilmente reconhecível devido ao seu design invulgar
  • Kia Picanto – um modelo já um tanto ‘envelhecido’
  • Citroen C1 – um Aygo com outro nome e com menos ‘pinta’
  • Peugeot 108 – mais uma versão de Aygo
  • Ford Ka – um modelo bastante bem concebido que no entanto perde quase sempre em termos de popularidade com o Fiat 500
  • Lancia Ypsilon – um hatchback de 5 portas com um toque de luxo
  • Renault Twingo – destaca-se dos outros modelos da classe pelo posicionamento traseiro do motor
  • Smart For Four – quase clone do Renault Twingo

Fiat Panda em liderança
Uma explicação humorística do significado do nome FIAT, como ‘Fix It Again, Tony’, ou seja, ‘Tô, concerta isto novamente’, não se aplica ao Panda. O carro é surpreendentemente bem concebido e durável.

A sua última versão aprimorou ainda mais o interior, recebendo uma nova gama de cores.

Embora em termos de estilo, o Panda perca com o outro carro citadino da marca, o Fiat 500, o seu preço é, no entanto, imbatível.

Capacidade da bagageira num carro citadino
Um dos maiores problemas que o utilizador de um carro citadino vai enfrentar é, sem dúvida, a limitação do espaço de bagageira.

No caso do Panda, o tamanho da mala – 225 litros, não é dos maiores dentro do segmento, nem dos menores.

Entre os modelos com mais capacidade da bagageira estão: VW Up!/Skoda CitiGo/Seat Mii, com 251 litros e o Hyundai i10 com 252 litros. Do outro lado da escala encontram-se Opel Karl, com 206 litros e, finalmente, o Fiat 500 que levara somente 185 litros de carga na sua mala.

Bagageira do Fiat Panda
A bagageira do Panda não impressiona em termos de tamanho, mas não fica atrás de muitos outros carros citadinos

As dimensões de carros – sempre a aumentar
Na década dos 90, tornou-se bem visível a tendência dos carros a aumentarem o seu tamanho em relação às suas versões anteriores dos anos 50, 60 e 70.

O lema ‘big is better’ parece ter acompanhado a industria automobilística. De repente, em 2000 a versão básica do VW Golf atingiu o tamanho do VW Passat de 1974.

No Japão, o Toyota Corolla de 1998 ficou mais próximo em termos de tamanho ao Toyota Carina ou Toyota Crown, do que a sua versão original do anos 70.

O exemplo mais extremo do ‘crescimento’ das viaturas é no entanto o Mini. Em 1979, o cumprimento do Mini era exactamente 3.3 m. Graças ao projecto revolucionário do Sir. Alec Issigonis tornou-se possível reduzir o tamanho exterior, sem prejudicar o conforto no interior. O nome da marca descrevia então a viatura com bastante exactidão.

In 2017, no entanto, o Mini mais pequeno tem já 3.82 metros de comprimento, a não falar da do modelo Mini Clubman, por exemplo. Esta viatura de 6 portas ocupa já 4.25 metros. Tanto pelo tamanho, como preço, o Mini está a destacar-se cada vez mais do segment dos carros citadinos, aproximando-se mais à classe económica.

Fiat Panda em Portugal
A primeira geração do Panda foi introduzida no mercado em 1980. Os Pandas a venda agora, pertencem à terceira, altamente popular geração. O carro é produzido em Nápoles, na fábrica Fiat Pomigliano d’Arco, para onde mudou da Polónia.

Como muitos outros carros do segmento, o Panda é uma viatura ágil, fácil de manobrar e estacionar e, o que é igualmente importante, de baixo custo de utilização. Para uma grande popularidade do Panda contribui também o preço competitivo e condições de financiamento vantajosas.

A posição do Panda no mercado português ainda é bastante inferior que o Fiat 500.

Dinamarca conduz carros citadinos
Na Dinamarca, um país de elevado rendimento, surpreende o número elevado de carros pequenos nas estradas. Os carros citadinos são o segundo segmento mais vendido neste país, a seguir dos carros da classe económica, correspondendo a 20% de todas as vendas.

Esta situação deve-se, por um lado, a um imposto de registo de automóvel muito elevado, na ordem de 180% do valor do carro, assim, como aos custos de utilização, nomeadamente o combustível.

Por outro lado, também, os fabricantes dos automóveis, conscientes das tendências do mercado, tornam os carros citadinos cada vez mais apelativos, através de melhor e mais diverso equipamento e de upgrades de performance, optimizando o uso dos carros não só no trânsito de grandes cidades, como na auto-estrada.

Em resultado, muitas famílias dinamarquesas optam por adquirir pelo menos um carro citadino para o uso no dia a dia, reservando as viaturas maiores, para as ocasiões especiais, como por exemplo as viagens de férias em família.

Estacionar carro citadino num espaço apertado
Se á facilidade de estacionamento for o critério mais importante na escolha de viatura, opte pelo chamados micro-carros, como por exemplo os Smart com capacidade para duas pessoas.

Veja abaixo o vídeo a demonstrar as habilidades excepcionais em estacionar um Fiat 500:


Fiat Panda – um carro citadino sólido e barato
Artigo: Fiat Panda – um carro citadino sólido e barato
Temas:

Envie-nos comentários ou sugestões sobre este artigo

Send kommentar